quinta-feira, 19 de julho de 2007

A imundície a que chegou o sistema político no Brasil é uma realidade inconteste. Em todos os lugares deste país casos de corrupção pipocam envolvendo políticos e empresários. Lula se elegeu prometendo "ética na política", mas não faz um governo diferente do de FHC também em relação a isto. Está aliado aos corruptos e os acoberta (como no Caso Renan Canalheiro). A oposição de direita, (PSDB & DEM – (Deixa eu mamar) em todas as esferas da federação, não tem moral pra dizer nada. Está metida na roubalheira ( caso de Natal – Plano diretor) e fez parte do governo FHC, o mais corrupto da história. A impunidade continua em todas as instâncias.
O modelo de representação política em voga retrata bem a podridão do Estado brasileiro. A ingerência do capital nas estruturas do Estado é hedionda. Os parlamentos burgueses (câmara de vereadores, assembléias legislativas e Congresso) não têm moral política para aprovar qualquer espécie de reforma que venha retirar direitos do Trabalhador.
Os ex-partidos de esquerda PT e PCdoB estão totalmente absorvidos pela aura mentirosa, encantadora e anti-popular da luta parlamentar burguesa. Ambos se tornaram estruturas políticas burocráticas e demagógicas, e volta e meia aparecem na grande mídia em volta a escândalos e desvio de verbas.
É nessa conjuntura política que os canalhas de plantão, os cara-de-pau de sempre começam a se movimentar. Aqui em Currais Novos as coisas não são diferentes. Os ex-coronéis,os grandes empresários e fazendeiros da cidade, corruptos e corruptores, bajuladores e babões já estão a todo vapor sedentos e ávidos pela disputa eleitoral. Caracteristicamente, esses grupos visam o assalto às estruturas públicas para se auto-beneficiarem e reproduzirem a miséria secular. As burguesias locais e regionais estendem seus tentáculos de sanguessugas para aliciar os seus representantes. É o vale tudo.
Na esfera local os ex-partidos de esquerda PT e PC do B, não obstante suas presenças há décadas na cidade, enfrentam dificuldade em apontar uma posição mais firme diante da burocracia estadual. Isto reflete uma patente debilidade orgânica desses partidos que abandonaram a luta no campo popular, ou a colocaram em segundo plano (em apoio às alianças eleitoreiras) pela luta parlamentar burguesa. Na esfera municipal, estadual e federal o PT e o PC do B são governo. Apóiam de forma acrítica os governos de José Lins, Vilma e Lula. Juntos formam hoje uma ampla aliança político burocrática que se alimenta com os altos cargos de confiança nas três esferas.
Para os que acreditam na luta e na organização dos trabalhadores é hora de opor resistência as políticas neoliberais dos governos de plantão. Os trabalhadores e lutadores desse país precisam e podem forjar na luta uma alternativa dos trabalhadores, independente da burguesia, que lute por um país socialista...

Um comentário:

Gianote disse...

É, véi, tem que reagir ou esse povo só para quando morrer e deixa muitas sementes podres plantadas. Já soube do cabra da Bahia?